[Thecnica Sistemas de Treinamento] Cal hidratada nas argamassas 
Login: 
Senha:   
Fazer cadastro conosco
O Site | Quem somos | Contato | Cadastre-se | Apoiadores
Equipe | Perguntas freqüentes

Home   Edições impressas   Cursos e Eventos   Todos os artigos  
Resenhas   Anuncie   Quer colaborar?  
Google

Você está aqui: Home » Artigos sobre
Artigo (veja mais 5 artigos nesta área)

Cal hidratada nas argamassas

Por Arq. Me. Iberê Moreira Campos equipe


A cal é usada na construção desde a mais remota antiguidade, para unir e revestir as alvenarias, devido à plasticidade e durabilidade que acrescenta às argamassas. Apesar de ser um material tão útil e conhecido, deve ser comprada e preparada com algum conhecimento para evitar problemas como rachaduras e desprendimento.

A argamassa mais comum utilizada na construção civil é feita com areia, água, cimento e cal hidratada. As proporções (“traço”) destes elementos variam de acordo com a finalidade da argamassa. Alguns exemplos: a argamassa para revestimento interno é diferente da destinada ao externo, uma massa para assentar tijolo comum é diferente daquela onde se colocarão azulejos cerâmicos.

O traço é definido por números no formato cimento : cal : areia. As proporções mais usadas em assentamento e revestimento são de 1:1:6 e 1:2:9, onde o primeiro número é o volume do cimento, o segundo representa o volume de cal e o terceiro mostra o volume de areia.

A quantidade de água – denominada “água de amassamento” – deve ser dosada em quantidade suficiente para o pedreiro consiga trabalhar, tomando-se cuidado para não ser colocada em excesso deixando a argamassa muito mole. Eata massa com água em excesso demora muito para “puxar”, ou seja, para ficar levemente enrijecida de modo a permitir que o pedreiro a alise ou dê o formato desejado.

Cal hidratada no revestimento

O processo tradicional para revestir paredes com argamassa utiliza duas ou três camadas. Primeiro vem o chapisco, feito com areia e cimento com traço entre 1:6 e 1:10.

A seguir aplica-se a massa grossa – também chamada “emboço” – com traço entre 1:1:6 e 1:2:9. Se for uma obra mais rústica, pode-se alisar a massa grossa e pronto. Neste caso, deve-se usar areia peneirada para retirar as impurezas e pedriscos que porventura estivessem diluídos na areia.

Caso seja necessário um acabamento melhor, pode-se optar por revestir a massa grossa com gesso ou então com uma argamassas para revestimento feita com areia mais fina. Justamente por isto, esta argamassa chama-se “massa fina”, também conhecida por “reboco”. A massa fina é aplicada sobre massa grossa (emboço) formando uma superfície uniforme para melhor fixar a tinta ou, ainda, em serviços mais requintados, a massa corrida que já faz parte do processo de pintura.

Cal hidratada no assentamento de alvenaria

Argamassas de assentamento de alvenaria servem para unir os tijolos e blocos de concreto ou cerâmicos das construções. Além de “juntar” os elementos serve também para dar maior resistência mecânica além de proteger contra a propagação do calor, frio ou do som. Serve também para vedar quanto à penetração de água e de vento.

O traço é similar à argamassa de revestimento, ou seja, algo entre 1:1:6 e 1:2:9. A água deve igualmente ser dosada para que fique uma massa com bastante plasticidade, mas sem escorrer.

É possível assentar alvenaria apenas com argamassa de cal, como se usa antigamente. O problema é que o cal demora muito tempo para endurecer (“puxar”), chega a levar dias até adquirir consistência suficiente para que a parede fique rígida. Por isto, atualmente se adiciona um pouco de cimento, entre 1 a 2 vezes a quantidade de cal, pois o cimento produz a “pega” (endurecimento inicial) em poucas horas, a partir do que a parede pode continuar a ser levantada e pode-se apoiar nela sem risco de ruína.

Por que se chama cal “hidratada”?

Até algumas dezenas de anos atrás toda obra tinha lá seu tanque de queima de cal, onde as pedras de cal virgem eram moídas, misturadas com água e deixadas a “curtir”, preparando a chamada “cal hidratada”. Este processo era necessário para que se obtivesse as vantagens que só a cal hidratada pode oferecer em termos de poder aglomerante e plasticidade.

Atualmente se usa a cal já hidratada, fornecida em sacos de 20 Kg e pronta para o consumo. Entretanto, ainda é recomendável que se faça a mistura entre areia e cal, com um pouco de água, e que esta mistura fique alguns dias curtindo antes de ser misturada ao cimento e ao restante da água para ser utilizada. Isto porque no processo industrial de produção da cal hidratada podem ficar algum resíduo da cal virgem que no futuro causará reações químicas indesejáveis na parede. Este processo de curtimento é tanto mais necessário quanto mais vagabunda for a cal utilizada (vide a seguir).

A cal hidratada é extremamente fina e leve, por isso permite o preparo de maior quantidade de argamassa com a redução do custo do metro cúbico. Ao serem misturadas com água, suas partículas muito finas funcionam como um tipo de lubrificante reduzindo o atrito entre os grãos de areia. O resultado é melhor trabalhabilidade (ou liga), boa aderência e maior rendimento na mão-de-obra.

A cal hidratada tem enorme capacidade de reter água em torno de suas partículas, formando na argamassa uma dupla perfeita com o cimento. As argamassas à base de cal hidratada têm resistência suficiente quanto à compressão e aderência, tanto para assentamentos como para revestimentos.

Por ser um produto alcalino, a cal hidratada impede a oxidação das ferragens e, também por essa característica, atua como bactericida e fungicida. Além disso, evita que se formem manchas e apodrecimento precoce dos revestimentos.

Proporciona economia de tinta, pois permite acabamento mais liso e de cor clara, sendo compatível com qualquer tipo de tinta e também com outros acabamentos como fórmica, lambris, papéis de parede. Nestes últimos casos, deve-se respeitar o tempo de cura, mínimo de 28 dias para que se completem todas as reações químicas.

As argamassas à base de cal hidratada têm baixo módulo de elasticidade, ou seja, absorvem melhor as pequenas movimentações das construções, evitando trincas, fissuras e até o descolamento dos revestimentos.

Devemos notar também a notável durabilidade que a cal hidratada confere às construções, pois argamassas com cal hidratada podem durar centenas de anos. Há muitos exemplos que comprovam essa característica, até porque a cal hidratada é um produto de aplicação milenar, enquanto o cimento portland só foi inventado em 1824.

Como comprar e estocar a cal hidratada

A cal hidratada só vai proporcionar os benefícios aqui citados se for pura. Deve ser fabricada de acordo com as normas técnicas, o que pode ser verificado pela embalagem (saco) do produto. Deve contar a marca, seu tipo (CH-I, CH-II ou CH-III), a Norma Técnica (NBR-7175), o nome ou razão social do fabricante e, para maior segurança, deve trazer o Selo de Qualidade da Associação Brasileira dos Produtores de Cal (ABPC).

Escolha um bom fornecedor, a loja ou depósito deve ter boas referências e fama de oferecer materiais de boa procedência e com qualidade. Não se deixe levar pelo menor preço, por trás dele podem estar produtos falsificados ou de má qualidade. Essa regra vale também para a areia – que não deve conter impurezas – e para o cimento, que deve obedecer as normas da ABNT e não deve estar estocado por muito tempo, pois pode empedrar e reduzir seu potencial aglomerante.

A areia deve ser a mais seca possível e armazenada em local limpo, onde não se esparrame. Outro detalhe: a água não pode conter matéria orgânica, como argila, folhas e materiais oleosos.

Dicas úteis para compra de cal hidratada – abra o olho!

Segundo o Guia das Argamassas nas Construções da Associação Brasileira dos Produtores de Cal-ABPC, o Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) coletou em outubro de 2004 amostras de 25 marcas de produtos vendidos como cal hidratada em todo o País.

Dessas, dez tiveram de ser excluídas porque não eram cal, mas produtos com outras características físicas e químicas, embora vendidas como cal. Apenas 15 marcas puderam ser submetidas a testes de laboratório e seis foram reprovadas. O filito, um tipo de pó de rocha, foi apontado no relatório do Inmetro como o material mais comum adicionado à cal no processo de adulteração.

Produtos adulterados ou “de segunda” aparecem com a expressão “cal” em sua marca fantasia, confundindo o consumidor, mesmo em casos em que o fabricante descreve na embalagem que seu produto não é cal. O Inmetro comenta ainda que os fabricantes que alegaram que seu produto é apenas um plastificante para argamassas, mas se for isto deveriam apresentar informações claras, de modo a não infringir os direitos do consumidor.

A embalagem de produtos adulterados ou sem qualidade pode trazer recomendações como “o uso do cimento é indispensável” ou até “nunca utilizar sem cimento”, por serem produtos com poder aglomerante quase nulo. Já com a cal hidratada é perfeitamente possível trabalhar sem cimento em alguns casos, como já falamos acima.

Deve-se fazer as contas quanto ao rendimento dos produtos também. O rendimento da cal de segunda é baixo tornando a argamassa mais cara. A explicação é que a cal hidratada e o cimento são comprados a peso, mas dosados na argamassa em volume. Normalmente, a dosagem deve ser 1 lata de cimento, 2 latas de cal hidratada e 9 latas de areia. Enquanto um saco de 20kg de cal hidratada de qualidade tem volume de 30 litros, um saco de cal de segunda pode não chegar a 15 litros, dependendo da sua quantidade de impurezas.

Uma relação de empresas produtoras de cal hidratada conformes e não-conformes está disponível em www.cidades.gov.br/pbqp-h/fabricantes.htm, no link Cal Hidratada para Construção Civil.

Pode-se também consultar a ABPC no endereço www.abpc.org.br, pois a associação mantém desde 1995 o Programa da Qualidade da Cal Hidratada para a Construção Civil, que monitora a qualidade de mais de 70 marcas de cales no mercado.

Publicado em 23/03/2007 às 11:47 hs, atualizado em 28/06/2016 às 18:55 hs


Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato
Enviar para amigo Assinar newsletter Entre em contato

Nenhum comentário até o momento.

Seja o primeiro a comentar este artigo!

Login:
Senha:
  • Se você já se cadastrou no site, basta fornecer seu nome e senha.
  • Caso ainda não tenha se cadastrado basta clicar aqui.


TEMOS MAIS 5 ARTIGOS SOBRE :
Solo-cimento, solução para economia e sustentabilidade
Procedimentos e cuidados na execução de alvenaria
Alvenaria com tijolos comuns
Tipos de tijolo para alvenaria
O que é alvenaria estrutural?

 

SEJA VOCÊ TAMBÉM UM COLABORADOR!

Colabore com nosso site, contribua para o desenvolvimento da arquitetura, engenharia e construção e, de quebra, aumente seu currículo e promova sua empresa!
É simples:
  • Se você é uma pessoa física e deseja colaborar com notícias, artigos e sugestões, veja a seção Quero colaborar
  • Caso tenha uma empresa do setor e quer divulgá-la junto aos nossos visitantes, veja a seção Anuncie
  • Caso sua empresa faça Assessoria de Imprensa para um ou mais clientes, você pode mandar os releases para nossos repórteres e teremos a maior satisfação divulgar as notícias neste espaço.
  • Se você é um órgão de imprensa, contate-nos em imprensa@luzes.org e conheça as várias maneiras para interagir com nosso site e nossos visitantes.

Tel (11) 3483-9868
Fax (11) 2368-4666
Email: contato@luzes.org
  • Por favor entre em contato para qualquer dúvida, imprecisão do conteúdo ou informação indevidamente divulgada.
  • Os artigos e demais informações assinadas são de integral responsabilidade de seus autores.
  • O conteúdo deste site está protegido pelo Acordo Internacional da Creative Commons.
  • Os produtos e serviços de terceiros aqui divulgados são de inteira responsabilidade de seus anunciantes.
  • Nosso nome, logomarca e demais sinalizações estão protegidas na forma da lei.